O Blogue Pedagógico

A intenção deste Blogue é demonstrar que é possível partilhar com outros intervenientes designadamente alunos, educadores e cidadãos comuns, quer ao nível local quer ao nível internacional.



terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Provas de Aferição: análise dos resultados dos inquéritos.


No 1º período letivo de 2017/2018, de outubro ao final de dezembro, disponibilizámos um inquérito on line no site da APEM sobre as
Provas de Aferição em Educação Musical no 5º ano de escolaridade que se realizam pela primeira vez em Portugal em maio de 2018.
Quisemos saber a opinião dos professores de música e outros interessados na temática.
Pode ler a análise dos resultados em:
http://www.apem.org.pt/associacao/noticias/index.php?post_id=174



terça-feira, 14 de novembro de 2017

XI ENCONTRO NACIONAL DA APEM, 2017



Aferições, música e cidadania artística.
"No início do mês de outubro, foram tornados públicos os resultados das provas de aferição,nomeadamente, os resultados das provas de aferição de Expressões Artísticas do 2º ano de escolaridade.
A APEM já se debruçou várias vezes sobre o tema e agora elaborou um parecer final sobre os resultadosdas provas de aferição na área da Expressão Musical que pode ser lido aqui*.
Os poderes políticos de uma maneira geral gostam e até investem em exames e provas de aferição. Não resistem... Mas o que seria bom mesmo era o investimento na qualidade da educação através da disponibilização de condições, meios humanos e materiais.
A música precisa de tempo, precisa de apoio, precisa de flexibilidade, precisa de dinheiro. Precisa de ser valorizada e precisa de ser protegida e defendida.
Nas palavras do compositor húngaro e filósofo educacional Zoltan Kodály: "A música é para todos". É parte da vida das pessoas seja por meio da rádio, de anúncios, de filmes, de programas de televisão, de aplicações, não se pode ignorar.
As nossas memórias mais antigas geralmente incluem música. Lembramo-nos, se não logo das canções da nossa infância, dos temas da nossa adolescência e juventude, e essas memórias transportam-nos para outros sítios. A música tem o poder de evocar tempo, lugares e pessoas. A música pode transportar-nos instantaneamente para uma hora e um lugar e a música tem o poder de transformar vidas individuais e coletivas".

terça-feira, 19 de julho de 2016

Revista Portuguesa de Educação Musical, junho/julho, 2016.

"No final de um ano letivo cheio de muitas e diversificadas atividades, mudanças, reflexões, intervenções e partilhas, a APEM inicia uma nova etapa com uma nova equipa na Direção. Uma equipa que se disponibiliza, desde já, a abraçar um biénio (2016-2018) com a motivação e a convicção de que o trabalho associativo é fundamental para a construção de uma sociedade melhor, mais esclarecida e mais tolerante. Centrar a educação artística e especificamente o ensino da música nos currículos com o espaço e o tempo adequado a uma formação básica, global para todos".


quinta-feira, 24 de março de 2016

Edição da Associação Portuguesa de Educação Musical, março, 2016.

"Este mês, focados na partilha de boas práticas no ensino da música no contexto do ensino genérico e no contributo para uma reflexão mais fundamentada sobre esta temática, damos destaque ao 1º Encontro Orff-Schulwerk realizado no dia 5 de março na Universidade de Aveiro, ao livro “Abordagem Orff-Schulwerk História, Filosofia e Princípios Pedagógicos” apresentado neste Encontro e, a propósito, relembramos o artigo de Wolfgang Hartmann sobre “O ensino musical criativo através da Orff-Schulwerk”, publicado em 2001 na Revista da APEM. Mas a partilha das boas práticas também se faz na prática: a APEM e o Cantar Mais foram visitar e participar no trabalho de um professor de educação musical numa escola pública, Sérgio Boto, e que aqui reportamos.
A insistência nas boas práticas no ensino da música para a aprendizagem da música no ensino formal, remete-nos para o conceito de boas práticas propriamente dito. O que são boas práticas em música? Haverá um modelo de boas práticas? Que premissas terão de existir para que se considere uma “boa prática”? A já vasta literatura de investigação sobre educação musical e o ensino e a aprendizagem da música poderá ser o ponto de partida para a procura de respostas a estas - e muitas mais - questões que poderíamos e deveríamos colocar para fundamentarmos uma perspetiva sobre o tema das boas prática".